sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Nova Iorque – Museu de Historia Natural

31 de Dezembro de 2010 – Nova Iorque – Museu de Historia Natural


Após a visita ao Empire State Building e como não havia tempo a perder já que a estadia, apanhamos o metro em direção até às proximidades de Central Park, junto ao qual fica o museu.

O Museu Americano de História Natural, localizado no Upper West Side de Manhattan, é um dos museus maiores e mais consagrados do mundo. O Museu dispõe de 25 edifícios interligados que abrigam 46 salas de exposição permanente, laboratórios de pesquisa, e uma biblioteca de renome mundial.

Imagem

As coleções contêm mais de 32 milhões de exemplares, dos quais apenas uma pequena fração está em exibição permanente. O museu tem uma equipa científica de mais de 200 pessoas, e patrocina mais de 100 expedições de campo especiais anualmente.

O Museu foi fundado em 1869. Antes da construção do complexo atual, o Museu esteve instalado no prédio do Arsenal em pleno Central Park. Theodore Roosevelt, Sr., o pai do 26º presidente dos EUA, foi um dos seus fundadores, juntamente com John David Wolfe, William T. Blodgett, L. Robert Stuart, H. Andrew Green, Colgate Robert, K. Morris Jesup, Benjamin H. Campo, D. Jackson Steward, Richard M. Blatchford, J. Pierpont Morgan, Adrian Iselin, Moisés H. Grinnell, Benjamin B. Sherman, AG Phelps Dodge, William A. Haines, Charles A. Dana, Joseph H. Choate, Henry G. Stebbins, Henry Parish, e Howard Potter.

A fundação do Museu foi o realizar do sonho do naturalista Dr. Albert S. Bickmore. Bickmore, estudante de Zoologia ao tempo em Harvard que pressionou incansavelmente durante anos para a criação de um museu de história natural em Nova Iorque. A sua proposta, apoiada por patrocinadores poderosos, ganhou o apoio do governador de Nova Iorque à data, John Thompson Hoffman, que assinou um projeto de lei criando oficialmente o Museu Americano de História Natural, em 6 de abril de 1869.

Em 1874, a primeira pedra foi lançada no primeiro edifício do Museu, que agora está escondido da vista por muitos edifícios do complexo que hoje ocupam a maior parte de Manhattan Square. O edifício vitoriano original gótico, que foi inaugurado em 1877, foi projetado por Calvert Vaux e Mould J. Wrey, ambos já estreitamente identificados com a arquitetura do Central Park. Este edifício logo eclipsado pela faixa sul de o Museu, projetado por J. Cleaveland Cady, um edifício em estilo neorromânico, influenciado por HH Richardson.

O Museu possui dioramas de habitats de mamíferos africanos, asiáticos e norte-americanos, um modelo em tamanho natural de uma baleia azul suspenso no Salão Família Milstein da vida oceânica, promovido pela família de Paul Milstein (reaberto em 2003), um pedaço enorme com 31 ton do meteorito Cape York, e a Estrela da Índia, uma das maiores safiras estrela do mundo.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

O museu possui um andar inteiro dedicado a vertebrados e à sua evolução. Tem também uma extensa coleção antropológica: Asiáticos, povo pacífico, o homem na África, coleções americanas, em geral nativos americanos, e coleções do México e da América Central.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Desde a sua abertura em 1936, o Hall Akeley tem sido considerado por muitos como uma das maiores mostras do mundo dedicadas aos macacos. O salão tem o nome de Carl Akeley (1864-1926), explorador, conservacionista, taxidermista, escultor e fotógrafo que concebeu, projetou e criou o corredor. Akeley levou equipas de cientistas e artistas em três expedições à África durante as duas primeiras décadas do século 20, nas quais ele e os seus colegas cuidadosamente estudaram, catalogaram, e recolheram os animais e plantas que até então estavam em vias de extinção. Trouxeram muitos espécimes das expedições para o Museu, e estes foram usados para criar o corredor, com seus 28 dioramas.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Os dioramas não evocam simplesmente os locais visitados por Akeley. Reproduziram-se animais específicos em localizações geográficas específicas num momento específico. Na criação dessas obras, Akeley mudou para sempre a prática da taxidermia, o recheio e montagem de peles de animais. Até então, as peles de animais eram enchidas com lascas de palha ou madeira. Akeley, no entanto, começou por recriar a forma do animal com uma armadura feita de madeira, fios, e, por vezes, as partes do esqueleto real. Depois foi usada argila para dar a forma de cada músculo, tendão veia. Quando este trabalho estava concluído, ele fez um molde da forma criada e colocou sobre esta a pele do animal. Esta atenção meticulosa aos pormenores e veracidade, foi aplicado não apenas para as montagens dos empalhados, mas também com as plantas, pinturas de fundo e até mesmo a luz nos dioramas resultando em figuras meticulosamente realistas, reproduções vivas do mundo que Akeley queria preservar.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

The Arthur Ross Hall of Meteorits contém alguns dos melhores exemplares do mundo, incluindo Ahnighito, uma seção da 200 ton do meteorito Cape York que foi encontrado no local do mesmo nome, na Groenlândia. O meteorito de grande peso (34 ton), o que o torna o maior meteorito em exposição em qualquer museu do mundo necessita de estar apoiado por colunas que se estendem pelo chão e no leito rochoso por baixo do museu.
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

O salão também contém extrassolares nano diamantes (diamantes com dimensões no nível manométrico) com mais de 5 bilhões de anos de idade. Estes foram extraídos a partir de uma amostra por meios químicos, e são tão pequenos que um quatrilhão destes tem um volume menor do que um centímetro cúbico.

The Bernard Spitzer e Anne Hall of Human Origins, o antigo Salão de Biologia Humana e Evolução, aberto em 10 de fevereiro de 2007. Originalmente conhecido sob o nome de "Salão da Idade do Homem", no momento da sua abertura original, em 1921, foi a única grande exposição nos Estados Unidos para representar uma investigação aprofundada da evolução humana. Os investigadores traçaram a história do Homo sapiens, e mostraram o caminho da evolução humana com muita criatividade.

Muitas das exposições célebres da sala original ainda podem ser vistas no atual formato alargado. Estas incluem dioramas em tamanho real dos nossos antecessores humanos Australopithecus afarensis, o Homo ergaster, Neanderthal e Cro-Magnon, mostrando cada uma das espécies que demonstram os comportamentos e capacidades que os cientistas acreditam que eles eram capazes. Também são exibidas em tamanho real moldes de fósseis importantes, incluindo o “Esqueleto Lucy” com 3,2 milhões de anos de idade, e o “Menino de Turkana” com 1,7 milhões de anos de idade.

O salão também possui réplicas de arte idade do gelo encontrado na região de Dordogne, no sudoeste da França. As esculturas de pedra calcária de cavalos foram feitas cerca de 26.000 anos atrás, e são consideradas umas das primeiras expressões artísticas dos seres humanos.
Estes são apenas alguns exemplos do que pode ser encontrado no museu. Uma visita à pagina na internet do museu será seguramente uma experiência enriquecedora: http://www.amnh.org/
Infelizmente devido ao pouco tempo que tínhamos disponível não pudemos apreciar o museu com este merece e ficamos com uma certeza: no futuro será um local a visitar novamente.