domingo, 26 de agosto de 2018

26 agosto 2018 – Barcelona – Embarque no Symphony of the Seas


Sensivelmente a meio das férias, chegamos ao momento mais aguardado! Aquele momento que andou a ser preparado  durante 11 meses. Sim... nunca reservamos um cruzeiro com tanta antecedência! Mas a este e outros factos iremos mais tarde!

Curiosamente, neste dia, ninguém se queixou de levantar cedo e de não poder ficar um pouco mais na cama!

Tomamos, pela última vez, o pequeno almoço no hotel em Salou e partimos em direção a Barcelona. O percurso de cerca de 110 kms demorou perto de 1:20h, um pouco mais do que tínhamos planeado, mas nada de grave pois planeamos chegar a Barcelona por volta das 10:00h já que ainda queríamos dar uma voltinha pelas Ramblas (não nos cansamos desta rua, nem da cidade de Barcelona!).

Não tínhamos intenção de visitar mais nada, pois já perdemos a contas às vezes que estivemos em Barcelona e a mente já estava no molhe do porto de Barcelona, por isso não valia a pena perder tempo com distrações!


Por “karma” ou castigo, atraímos sempre o mau tempo nos dias do nosso embarque e desta vez não foi exceção: apanhamos chuva durante todo o nosso percurso entre Salou e Barcelona e durante a nossa curta estadia em Barcelona, não choveu mas que as nuvens negras no céu não auguravam nada de bom, isso é certo! Mais uma razão para abreviar a nossa visita às Ramblas e embarcar de uma vez por todas! Mas ainda era cedo para isso, logo tinhamos que continuar pelas Ramblas!

O movimento ainda era pouco, pois àquela hora a cidade ainda acordava e apenas os comerciantes preparavam as suas barraquinhas para mais um dia cheio de turistas!

Por alguma curiosidade, um pouco mórbida temos de admitir, quisemos ver o local onde ocorreu o maior número de mortos no último atentado que atingiu a cidade e esperávamos encontrar algum tipo de memorial, o que em bom rigor não aconteceu pois não encontramos nada de especial no local! Pelo menos, naquele dia e àquela hora!

Tiramos algumas fotografias, junto à estátua de Cristóvão Colombo, mesmo no final das Ramblas, para a Beatriz partilhar com as amigas no Facebook! É nestas alturas que percebemos que as nossas crianças crescem e são cada vez mais autónomas e já têm “ideias próprias”!

Como, nesta altura já poderíamos embarcar lá fomos até ao porto.

Quem nos segue à mais tempo, já sabe como fazemos quando fazemos algum cruzeiro a partir de Barcelona e estamos com o nosso carro. A exemplo das outras vezes, fomos de carro até ao terminal respetivo, deixamos as malas e depois deixamos o carro estacionado no parque do World Trade Center Barcelona que fica localizado mesmo junto ao porto! Como já tínhamos reservado o estacionamento pagamos 75€ /semana e fomos reembolsados do bilhete do T3 PORTBUS, o autocarro que faz o percurso entre a Praça de les Drassanes e todos os terminais de cruzeiros. O preço do bilhete é de 3€ (ida) e 4€ (ida e volta)!


Como curiosidade, o Symphony of the Seas é tão grande que ocupa 2 terminais de cruzeiro, o B e o C, sendo que os passageiros da frente do navio (proa) embarcam pelo B e aqueles cujo camarote se localiza nas traseiras do navio (popa) embarcam pelo terminal C. O nosso camarote implicava o embarque pelo terminal C, pelo que foi nesse terminal que a família esperou pela minha chegada para embarcar.

A Royal tem aperfeiçoado o processo de check-in, no sentido de melhorar o embarque e reduzir o tempo de espera, ainda por cima tratando-se de um navio com o tamanho do Symphony! O maior navio de cruzeiro mundo, à data, porque estas coisas são efemures e, seguramente daqui por pouco tempo surgirá um outro navio que destronará o Symphony desta categoria!

Como parte desse processo de melhoramento do check-in temos o já conhecido Check-in online, mas no caso da Royal Caribbean temos a possibilidade de juntar uma foto ao processo e dessa forma evitamos a foto que normalmente é tirada através de webcam no balcão de check-in! Adicionalmente, os passageiros que fazem parte do programa de lealdade da Royal Caribbean, The Crown & Anchor® Society, dependendo do seu estatuto têm prioridade no acesso aos balcões de Check-in. No entanto, à hora que chegamos eram tão poucas as pessoas no pavilhão do terminal que nem usamos a fila que nos estava destinada!

Como no melhor pano cai a nódoa, na altura em que estávamos a ser atendidos houve um “apagão” informático geral e tiveram a necessidade de reiniciar os computadores todos! Somamos o apagão ao facto de apanharmos um funcionário inexperiente e demoramos cerca de 20 min para terminar as formalidades de embarque!

Bora lá para o navio, que estamos ansiosos para desfrutar de tudo o que temos direito! Ainda antes de subir as escadas de acesso às mangas de embarque, hora de tirar a fotografia da praxe!


Aproveitamos, este momento para deixar alguma informação sobre o navio que estávamos prestes a navegar:

O novo navio da companhia de cruzeiros Royal Caribbean International é o maior do mundo e a sua dimensão chega a assustar: 66 metros de largura; 362 metros de comprimento; 18 decks, 24 elevadores; e 2759 camarotes: estes são os números gerais do Symphony of the Seas, que realizou a sua viagem pré-inaugural a 27 de março de 2018.

O Symphony of the Seas foi construído no estaleiro Chantiers de l'Atlantique, em Saint Nazaire, na França e é o quarto navio da série Oasis. O Symphony of the Seas mede 1.188 pés (362 m) de comprimento e tem uma arqueação bruta de 228.081 em 18 decks. É capaz de acomodar 5.518 passageiros em ocupação dupla até uma capacidade máxima de 6.680 passageiros, bem como uma tripulação de 2.200 pessoas.

Alexa, Carlos e Ocean PenaVega foram escolhidos como padrinhos do navio, ou como "Godfamily" do navio, marcando a primeira vez na indústria de cruzeiros em que uma família é nomeada como madrinha de um navio. A cerimónia de batismo terá lugar em Miami em novembro de 2018! Inicialmente achamos estranho a data de batismo, mas após uma pesquisa verificamos que é normal estas cerimónias oficiais acontecerem mais tarde! A publicidade e a imagem valem imenso dinheiro nesta indústria!


Por agora chega de curiosidades e datas sobre o navio, voltaremos a elas mais tarde e ao longo do nosso cruzeiro!

A entrada no navio é uma sensação estranha, pelo menos para quem o faz pela primeira vez, pois as opiniões são unânimes, parece que estamos a entrar num centro comercial gigantesco! É este o efeito que a Royal Promendade dos navios da classe Oásis provocam nos passageiros recém chegados ao navio!

Quando entramos à cerca de 7 anos no Oasis of the Seas tivemos essa sensação. Desta vez, tudo foi diferente, pois já sabíamos o que nos esperava, ali na Promenade, mas também na maioria dos outros locais, pois em termos físicos o navio não é muito diferente dos antecessores. Os pormenores é que fazem a diferença!!!

Finalmente dentro do maior navio do mundo, altura para tirar algumas fotos da e na Promenade, com especial destaque para o carro antigo que é imagem de marca da Royal em todos os navios. Neste caso, uma enorme bola vermelha moldada feita de um Volkswagen Beetle comprimido; que ocupa o espaço onde por norma, um “Morgan” é exibido noutros navios. Lindo, não acham?

 
Como ainda era cedo para almoçar, ou então a vontade de conhecer o navio era maior fomos até aos decks exteriores no topo do navio para ver as piscinas, os escorregas, as vistas para os jardins interiores e tirar fotos, muitas fotos!


A maioria dos passageiros que entram num navio deve sofrer automaticamente de uma doença qualquer que os leva logo a pegar nas máquinas fotográficas e máquinas de filmar e começar a registar tudo o que os rodeia! Dizemos isto porque olhamos para o lado e está toda a gente a fazer a mesma coisa! Pelo menos não estamos sozinhos e não nos sentimos deslocados!

Finalmente, depois de feito o reconhecimento inicial, a fome apertou e lá fomos até ao buffet, que por norma na Royal se chama Windjammer, para almoçar e tomar o primeiro contacto com a comida do navio!

Sendo certo que o primeiro dia não deve servir de barómetro para nada, não tivemos dificuldade em encontrar uma mesa para nos instalarmos!


O espaço é enorme, como seria de prever num navio desta dimensão e a comida, deixem que vos diga, do melhor que já encontramos a bordo! Qualidade e variedade como nunca tínhamos encontrado num navio, dando razão àqueles (muitos!) que defendem que a tendência atual é um aumento de qualidade do buffet e uma diminuição da importância dos restaurantes à carta! Mas isso é tema para mais tarde...

Perante tanta oferta difícil é escolher e aí entram os gostos de cada um!

Outra curiosidade, pela primeira vez, num buffet ouvimos pela instalação sonora um aviso, ou pedido como lhe quiserem chamar, para os passageiros que já tivessem almoçado para, como cortesia para com os outros passageiros, deixarem o buffet e cederem o seu lugar a outros! Tem lógica e é de boa educação! Também com isto, a companhia conseguirá que não se junte tanta gente no buffet à procura de mesa!

Eram 13:00h, a hora prevista para a entrada nos camarotes! Cumpriram e lá chegou o anúncio sonoro que estavam disponíveis os camarotes, pelo que fomos dar uma vista de olhos ao nosso e ao mesmo tempo deixar a bagagem de mão que tínhamos connosco!


Inicialmente tínhamos reservado um camarote interior standard, depois com as promoções (poucas, por sinal!) que surgiram passamos para um interior espaçoso com capacidade para 6 pessoas, com vista para a popa do navio! Mas a falta da varanda falou mais alto e por mais 70€, lá mudamos para um camarote no deck 12, número 706, um camarote standard com varanda!

No Symphony, os cartões “Sea Pass” não são entregues no check-in, antes estão colocados num envelope junto ao camarote, estando o mesmo aberto! Não percebemos muito bem a vantagem disto, mas alguma terá...

Dentro do camarote já tínhamos o Cruise Compass para o primeiro dia, bem como um convite para uma festa privada da Crown & Anchor® Society, a realizar no dia seguinte à tarde! Desde já referimos que faltamos, pois a meio da tarde não estávamos para aí virados!



De realçar, pela positiva, a organização do camarote conseguida pela Royal e o. aproveitamento dos espaços, já que conseguimos arrumar tudo dentro dos armários e o camarote, apesar de pequeno serve perfeitamente para as necessidades de uma família de 4 pessoas!


Como ainda faltava um bom bocado para o simulacro de emergência fomos até à Promenade comprar uma das inovações da Royal, neste navio, a WOW band!

Uma mistura de relógio com pulseira, basicamente permite substituir o cartão “Sea Pass” para as compras a bordo, abertura de portas, etc. Se bem que é uma boa ideia, não é totalmente conseguida pois para desembarcar nos portos, para ir buscar uma criança ao clube, por exemplo é necessário apresentar o Sea Pass! De qualquer forma evita-se alguns transtornos pois não temos de andar sempre com o cartão atrás de nós correndo o risco que este se perca!

Não são grátis, custando 5 Usd cada uma, existem 4 cores disponíveis (azul, amarelo, branco e preto), são trocadas gratuitamente caso se quebrem (aconteceu connosco!) ou se desmagnetizarem!


Aproximava-se a hora da partida, mas antes ainda tínhamos o simulacro de emergência, obrigatório em todos os navios! A Royal, neste navio junta todos os passageiros em instalações no deck 5, no nosso caso, a sala de jantar e apresentam um vídeo de segurança! Nada de grandes explicações sobre o que fazer em caso de emergência, mas sim um vídeo ao estilo James Bond sobre os procedimentos de segurança. Um pouco ao jeito das companhias aéreas!

Pessoalmente, não gostamos e achamos que estão a brincar com o fogo. Um dia as coisas correm mal e toda a gente se lamenta! Visualizem o vídeo e depois tirem as vossas conclusões!



Finalizado o simulacro, fomos até ao deck 16 para a “Sail Away Party”, mas antes preparamos a GoPro para o timelapse da partida e uma passagem rápida pelo Park Caffé para matar saudades de uma velha conhecida, a famosa sandes de carne assada que fez as nossas delicias no Oasis OTS!

 
A festa foi muito fraca, pouca animação e a Royal parecia estar mais preocupada em vender bebidas que animar os passageiros! Talvez a falta de um espaço amplo junto à piscina tenha feito a diferença, pois o local escolhido não proporcionava as condições ideais para uma festa deste tipo. 


Regressamos ao camarote para arrumar as nossas coisas nos armários e preparar para o jantar!

Nesta altura, a vista da nossa varanda era esta:

Mais uma vez optamos por horários flexíveis para jantar, ajustado sem função dos horários dos espetáculos e das nossas atividades. Somos fãs incondicionais do My Time Dinning da Royal, já que com algum planeamento conseguimos jantar à hora que queremos sem grandes esperas! No Symphony, podemos dizer que correu lindamente. Nunca esperamos mais que 5 min para sermos sentados numa mesa!

Esta noite tínhamos interesse em 2 eventos, pelo que o horário de jantar foi marcado para as 20:30h, o horário ideal para permitir fazer tudo sem necessidade de grandes correrias. Afinal de contas estamos de férias!

Chegamos ao restaurante, no deck 4, o deck que está reservado ao My Time Dinning e ao informarmos o número de camarote fomos imediatamente conduzidos a uma mesa, com vista para o piso superior e inferior.

No Symphony of the Seas, o restaurante principal é enorme ocupando 3 decks, o 3,4 e 5, sendo que os decks 3 e 5 estão reservados para os turnos fixos, ou seja para quem escolheu previamente a hora de jantar, às 18:30h ou às 21:00h! Se bem que esta divisão não é fixa e rigorosa pois num dos dias fomos conduzidos a uma mesa no deck 3. A gestão das mesas vai sendo feita a cada momento e nota-se a preocupação da Royal em ter uma ocupação racional do espaço para impedir grandes demoras no atendimento.

A cortesia e simpatia dos funcionários destacados para a nossa mesa foi a habitual, apesar de notarmos que atualmente têm muito mais trabalho que quando iniciamos estas andanças dos cruzeiros. Ficamos com a ideia que cada equipa é responsável por mais mesas que anteriormente, mas com muito mérito, conseguem sempre cumprir a sua função e na maioria das vezes com um sorriso no rosto e sempre prontos a interagir com os passageiros, pelo menos quando a língua não é uma barreira!

As opções existentes nesse dia:


E as nossas escolhas:


A comida estava deliciosa, o serviço foi relativamente rápido. Como aspeto menos positivo alguma confusão com as bebidas pedidas e os pacotes de bebidas pré pagos! Em 2 ocasiões debitaram-nos as bebidas, esta foi a 1ª vez! Implicou uma deslocação ao apoio ao cliente para anularem a cobrança!

Terminada a refeição, alí mesmo ao lado, no Studio B, tínhamos reserva para o espetáculo no gelo, 1977 – Uma Emocionante Aventura no Gelo! Um dos espetáculos que mais ansiávamos ver!

Lembrar que a reserva dos espetáculos nos navios maiores não é obrigatória, mas é altamente recomendável, pois caso não exista reserva apenas permitem o acesso à sala 15 min antes do início do espetáculo! Mais uma vez o “trabalho de casa” compensa!

Como entramos cedo na sala, pudemos escolher os lugares onde ficamos sentados para melhor apreciar as manobras de patinagem no gelo!


A história do espetáculo é confusa, com um ladrão de joias a ser perseguido pelo mundo inteiro por um detetive inglês e o seu ajudante. Quando finalmente prende o ladrão verifica que afinal é uma mulher, e apaixona-se por ela...! Destaque para o inicio do espetaculo, com vários drones espalhados pelo espaço criando um efeito visual espetacular!

O que nos interessava mesmo, principalmente à Beatriz eram as manobras de patinagem, e nisso estes artistas/atletas são do melhor que podemos encontrar a trabalhar em navios!



Uma equipa de patinadores vindos de todos os cantos do globo deliciam os passageiros com as suas piruetas, saltos e coreografias!

Como a nossa opinião pode ser tendenciosa deixamos um vídeo que fizemos do espetáculo para tirarem a vossa própria opinião!

Quando terminou o espetáculo estava quase na hora do outro evento que pretendíamos ver, a largada de balões na Promenade!

Talvez por esta ser a temporada inaugural do Symphony of the Seas, na noite de Barcelona (não dizemos na 1ª noite, pois existe embarque em Roma) é feita uma festa que culmina com a largada de 7.000 balões coloridos sobre os passageiros!


A festa é animada com música e a equipa de animação do navio que fizeram um bom trabalho, ao contrário dessa tarde!


Sem dúvida, passamos momentos muito divertidos nesta festa e as miúdas adoraram andar a rebentar balões uns atrás dos outros. Ritual repetido pela generalidade dos passageiros, dando a sensação, por momentos que estavam a lançar fogo de artificio tantos os estrondos de balões a rebentar!

E como podem imaginar, o dia já ia longo, por isso fomos até ao camarote que amanha iria começar a diversão a sério, neste que vai ser um cruzeiro diferente do que estamos habituados a fazer!

Até amanha, em Palma de Maiorca!