quinta-feira, 19 de outubro de 2006

Rondo Veneziano - Turquia - Éfeso

Dia 19 Outubro 2006 - Éfeso


Éfeso foi uma antiga cidade da Ásia Menor, na atual Turquia. Foi uma das cidades jônicas localizada sobre o Mar Egeu e um importante centro religioso, cultura e comércio. Na época romana, Éfeso era a capital provincial da Ásia, chagando a ter cerca de 250.000 habitantes no seu auge.




Hoje, Éfeso é talvez uma das cidades da antiguidade melhor preservadas em todo o mundo. As suas ruínas são visitadas, principalmente por passageiros de cruzeiros que vêm do porto de Kusadasi, situado a 20 km, e em menor quantidade de Izmir que fica a 80 km de distância.





A antiga cidade de Éfeso estende-se pelo vale entre as montanhas de Bulbul e Panayir. Éfeso foi alvo de escavações durante o último período do Império Otomano, no século XIX por arqueólogos britânicos. Muitas das figuras da cidade, assim como outros objetos arqueológicos de grande valor, encontram-se hoje no Museu Britânico, em Londres. Não foi ainda completamente escavado (estima-se que apenas 30% da sua área), mas o que pode ser observado dá-nos uma ideia do seu esplendor original.



História
Os Cários foram os primeiros a povoar estas terras no segundo milênio aC mas a primeira cidade não foi fundada até o século XI aC pela mão dos Jónios. Com a invasão persa do século 6º aC, Éfeso rendeu-se ao domínio da dinastia aquemênida. Apesar das tentativas em contrário este domínio continuaria até a chegada de Alexandre, o Grande.




Com a morte do grande conquistador, Éfeso passado para as mãos do general Lisímaco e pouco depois a cidade foi transladada a um vale entre as montanhas de Coressos (atual Bulbul) e Píon (atual Panayir).
A época de ouro da cidade vem com os romanos, Éfeso tornou-se um dos grandes centros culturais e econômicos do Antigo Ocidente. Foi a altura da construção de alguns dos seus edifícios mais gloriosos, como o Templo de Artemis, considerado uma das sete maravilhas do mundo.



A glória de Éfeso não diminuiu com a era cristã, como ainda aumentou. Éfeso acolheu São Paulo em várias ocasiões para conseguir combater o culto à Deusa Artemis, ou Diana. Pouco depois, uma das Sete Igrejas do Apocalipse, foi aqui construída. São João Evangelista escolheu esta cidade para escrever o seu Evangelho, enquanto, como havia prometido a Jesus, cuidava da Virgem Maria, que aqui viveu até sua Morte.
O declínio de Éfeso veio com os godos no início do século 3º dC, depois de sofrer um tremendo saque, apesar disso, o Conselho Ecumênico da metade do Séc. 5 teve lugar aqui em Éfeso.
Nos anos 354, 365 e 358. dC, Éfeso foi atingido por três terremotos que trouxeram a morte à cidade. O verdadeiro fim, no entanto, não veio com os terremotos. Durante centenas de anos, o rio Cayster arrastou desde as montanhas grandes inundações que converteram a terra, outrora fértil numa espessa camada de lama e pântano. A pérola do Egeu lentamente transformou-se numa área insalubre, um inferno de humidade, mosquitos, epidemias de malária. Éfeso tornou-se, assim, uma cidade doente. teve que ser abandonada e o pântano cobriu-a durante os séculos seguintes, e fê-lo de uma forma tão completa, que até o lugar onde ela havia existido foi esquecido.
Androclo, filho de Codros (rei de Atenas) foi o fundador de Éfeso segundo a lenda oficial da cidade. Como ele havia discutido com os seus irmãos, decidiu fundar uma nova cidade na costa asiática. Segundo a tradição consultou Pítia, a sacerdotisa do templo de Apolo em Delfos. Ela completamente em êxtase disse-lhe que a seguinte profecia: O peixe e o javali. Androclo e os seus amigos começaram então a procurar o lugar certo para a fundação da cidade, até que chegaram a uma aldeia onde viviam os Lelegianos e os Cários. Ali enquanto fritavam peixe, de repente um peixe saltou para fora da fritadeira. Como resultado, a erva do chão foi queimada e um javali que lá se escondia correu por entre os arbustos. Androclo foi em sua perseguição no seu cavalo e matou-o. Naquele lugar fundaram a cidade no século X. a.C.
Outras lendas dizem que Éfeso foi fundada pelas Amazonas. Apasa foi uma Rainha Amazonas e nome da cidade deriva de facto. Como se pode ver nos relevos do templo de Adriano, o povo de Éfeso acreditava nas duas lendas.
Curiosidades
- A primeira publicidade da história poderá estar em Éfeso. Vemos reclamos gravados no chão com o objetivo de orientar os visitantes para determinados locais onde se prestavam determinados serviços prestados ou poderiam abastecer-se de produtos, saciar sua sede ou simplesmente descansar.

- Foi a primeira cidade do mundo a ter a sua rua principal iluminada à noite (rua do porto).
- As inundações do rio Cayster séculos durante seculos taparam os portos da cidade. Hoje a praia fica a 6 km de distância.
- O historiador Strabon, Cícero e Júlio César foram alguns dos turistas famosos de Éfeso. Marco António passou aqui um inverno com Cleópatra. Os imperadores romanos Trajano e Adriano visitaram a cidade e Antonino Pio, antes de ser imperador, foi o governador de Éfeso.
Locais de interesse
Se houver um museu gigante ao ar livre esse museu é Éfeso. Esta considerada uma das maiores áreas arqueológicas do mundo e não é para menos dada a grande quantidade de obras antigas exibidas no seu lugar original. Por exemplo, podemos facilmente observar a celebre urbanização de um dos grandes arquitetos da história, Hipodamo, o inventor do sistema de grade plana, onde as artérias são cortadas em ângulos retos.
·                 Porta de Magnésia
Construído século 1º dC pelo imperador romano Vespesiano, é a entrada mais comum para o Parque Arqueológico. Está situado nas muralhas de Lisímaco, construídas no século III aC.




·                 Termas de Vario
Localizadas perto da Porta de Magnésia, as suas paredes continuam a estar de pé juntamente com as casas de banho romanos. No entanto, o que é mais notável são os restos do extraordinário sistema de esgotos com canos de água feitos de barro.

·                 Odéon
Construído no século II dC, tem a forma de um pequeno anfiteatro. A sua função era a de acolher as reuniões dos gestores e senadores da cidade. É constituída por mais de 1400 lugares, divididos entre 23 degraus que mostra que também era utilizado para todos os tipos de espetáculos culturais. Odéon deveria ser um dos edifícios mais bonitos de Éfeso, a julgar pelos rodapés que adornam os seus degraus.
·         Pritaneon
O Pritaneo de Éfeso foi construído no século III aC embora não estivesse concluído até o tempo de Augusto e foi restaurado no século III dC Ainda podem ser vistas as altas colunas, dedicadas à deusa Artemis, a grande deusa protetora. As colunas formam um local sagrado no Pritaneo, onde ardia o fogo sagrado alimentado pelos sacerdotes. No entanto, atualmente o Pritaneo ainda está a ser escavada e muitos dos seus restos podem ser vistos para já, no Museu de Selçuk.
·         O caminho dos Curetos
Depois de passar o Odéon e o Pritaneo pelo caminho que começa na Ágora superior, aparecem os restos dos esgotos principais da cidade. Naquela época, estes esgotos tinham de atravessar toda a cidade até chegar ao mar.

O Caminho dos Curetos era uma das principais artérias da cidade. Os Curetos eram os sacerdotes responsáveis por levar a lenha até ao fogo sagrado do Pritaneo. A parte central era para a circulação dos carros e os pórticos de ambos os lados eram para os peões, sendo eu existiam lojas ao longo destes pórticos.
·         Praça de Domiciano
Nesta praça localizam-se alguns monumentos como o Templo de Domiciano e a fonte de Pólio, juntamente com outros prédios estão a ser restaurados. Após a porta de Héracles, o caminho das Curetos continua.
·         Banhos de Escolástica
Estes banhos foram construídos durante o século I aC mas tiveram que ser restaurados posteriormente. Ainda mantêm as quatro salas que compunham o banho romano: o Apodiatario (guarda-roupa), o frigidário (uma piscina de água fria), o tepidário (piscina de água quente) e o caldário (quarto onde a transpiração).
·         Templo de Adriano
Este pequeno templo construído em estilo coríntio, é uma maravilha da arquitetura construída durante o século II. A sua decoração e relevos exterior dão-lhe uma beleza única. Réplicas desses relevos, os originais estão no Museu Selçuk, retratam a história mitológica da fundação de Éfeso e as façanhas de Androclo, o fundador da cidade.
·         Biblioteca de Celso
Localizada no cruzamento do caminho dos Curetos com uma via de Mármore, é um magnífico edifício construído no início do século II dC por um cônsul romano em memória de seu pai. A Biblioteca apresenta um estado incrível de conservação devido aos trabalhos de restauração dom material encontrado em diversas escavações. Foi construída em direção ao Este para que as salas de leitura pudessem aproveitar melhor a luz da manhã.



·         Grande Teatro
Localizado no final do Caminho de Mármore, é o maior anfiteatro do mundo com uma capacidade de mais de 30.000 espectadores. A construção original deste edifício data do século III a.C. mas não ficou concluído antes do seculo2º d.C. Este período extenso de construção explica porque é que as arquibancadas são de estilo Helenístico, enquanto as entradas são abobadados típico dos romanos. O apóstolo São Paulo pregou muitas vezes neste anfiteatro contra cultos romanos, sendo que hoje em dia é usado para o grande festival de Éfeso.




·         Rua de Arcadino
Também conhecida como rua do porto, tomou a sua forma definitiva durante o reinado do imperador Arcádio. Rodeado por colunas bonitas, pedestais de estátuas perdidas e entradas das lojas, começa nas ruínas do Ginásio do Teatro. Aqui localiza-se a antiga Bolsa dos Cereais.
·         Igreja da Virgem Maria
A antiga Bolsa de Cereais converteu-se no século IV, na primeira igreja dedicada à Virgem Maria, quando o cristianismo foi adotado como religião oficial do Estado. Um dos templos históricos mais importantes do cristianismo, pois aqui se reuniu o Concílio Ecumênico, em 431 e onde foi condenado o Nestorianismo.
·         Templo de Artemis
Foi considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo. Durante um período de mais de mil anos foi um dos principais centros religiosos, políticos e econômicos de Éfeso. Hoje, apenas se pode ver uma das colunas originais do magnífico edifício.
O templo de Artemis era o maior da antiguidade, com 120 colunas de 20 m altura. Foi a primeira grande estrutura construída totalmente em mármore, quatro vezes maior que o Pártenon, em Atenas. Neste local eram venerados, a "Senhora de Éfeso", uma divindade de seios múltiplos que os gregos identificaram como sendo Artemis. No ano 352 dC. um louco chamado Eróstrato pretendendo a imortalidade queimou o templo de Artemis para o seu nome fosse lembrado para sempre.