terça-feira, 7 de junho de 2011

Fiordes da Noruega - Hellesylt / Geiranger

Dia 4 – Hellesylt / Geiranger

Como é habito ao chegarmos ao camarote para dormir já tínhamos o programa do dia e o folheto da Nortravel para o dia seguinte.


e o folheto da Nortravel:

Esta escala é diferente das habituais porque o navio inicialmente fundeia em Hellesylt, numa escala técnica, que serve apenas para deixar sair os passageiros com excursões marcadas pela MSC e que pelo seu tempo de duração não são possíveis de efectuar a partir de Geiranger. Li em fóruns espanhóis que por vezes depois de muitas negociações deixam sair os passageiros que tenham excursão organizada de forma independente, no entanto na MSC foram claros dizendo que apenas saem os passageiros com excursão de dia todo contratada com a MSC. Após o desembarque das excursões o navio segue para Geiranger onde chega cerca de 2-3 horas depois:


Como referi anteriormente a nossa escolha recaiu na excursão mais longa, que a visita ao Glaciar Briksdal, com uma duração de cerca de 8:50h com almoço incluído. A distancia a percorrer entre o porto de Hellesylt e o monte onde se encontra a língua do glaciar são cerca de 87 kms (informação google maps) quase sempre por estrada de montanha, com muitas curvas, em bom estado, mas com pouco movimento.

O desembarque estava marcado para as 7:50h com o ponto de encontro a ser no Shaker Lounge. Após uma conversa com a guia, optamos por não levar a Beatriz porque a subida até ao glaciar não pode ser feita na sua totalidade de autocarro, implicando uma subida de cerca de 2,5 kms em estradão. Se a este facto somar-mos o facto de estar prevista chuva forte era arriscado demais levar uma criança de 4 anos nessa aventura.

Como a hora de desembarque era madrugadora, a hora de despertar foi cerca das 6:30h para dar tempo para tomar o pequeno almoço e desembarcar. Cerca das 7:30h fomos deixar a Beatriz no mini-club (as crianças podem ficar lá em horário alargado desde que os pais tenham excursão comprada com a MSC).

Não foi difícil deixa-la já que as animadoras eram 4 brasileiras e 2 italianos e na primeira experiência a Beatriz gostou imenso.

Antes do desembarque ainda tivemos a visita da Daniela (guia Nortravel) para ver se estava tudo bem e não precisávamos de nada. Tivemos a companhia de outro casal português nesta ida ao Briskdal, o que foi muito bom porque pudemos conversar, tirar fotos e trocar experiencias durante o longo percurso. Os únicos corajosos num grupo de 44!!!! (há valentes!!!!)

O desembarque foi feito por lancha e logo no porto pudemos apreciar a primeira cascata, cada uma mais bonita que a anterior.


Imaginem a importancia que as cabras devem ter para estes povos


O percurso até ao glaciar foi feito em cerca de 2h, durante as quais fomos ouvindo as explicações do guia Jaime Garcia (um espanhol a viver à muitos anos na Noruega) e fomos apreciando as vistas, desde o autocarro:


O lago mais profundo da Europa com 514 mts de profundidade

Reparem no original "aquecimento das casas"


Chegados ao parque de estacionamento onde ficaria estacionado o nosso autocarro e onde seria o almoço, era tempo de "galgar" a montanha passando por vários cursos de agua com imenso caudal e varias cascatas, isto sempre sob chuva ou ameaça dela:


Os trolleys para os que estão em má forma fisica! Mas para a cerca de 500 mts do glaciar, logo os mais dificieis! hehehehe

Após cerca de 45 min de subida lá chegamos junto ao glaciar onde o azul característico dos glaciares aparecia um pouco "deslavado" devido à chuva, ao nevoeiro e à pouca luz existente para se tirar uma foto de jeito:


Mais riachos e quedas de agua pela subida cima


é impressionante a agua que esta gente tem! Claro que não pagam o consumo de agua!

Eis o ansiado glaciar


Tenho de confessar que esperava que a subida fosse mais difícil, já que o caminho apesar de ser em terra batida não tinha muitos obstáculos e foi relativamente fácil subir. Quanto ao glaciar, esperava algo maior, apesar de saber que apenas se tratava de uma língua. Esperava também chegar mais próximo, não tocar já que por razões de segurança já há algum tempo que não deixam tocar no glaciar (inclusive assistimos à queda de um bloco de gelo quando tirávamos fotografias!).

O almoço, previamente marcado num restaurante junto ao parque de estacionamento, consistiu num creme de espargos, em salmão cozido com batata e uma sobremesa. A sopa e o salmão estavam deliciosos mas um pouco pobre para o preço da excursão (125€ / pessoa). Claro que o preço da excursão não é justificado pelo almoço, mas podiam melhorar um pouco o mesmo.

O regresso ao Orchestra foi feito por outro percurso que permitiria obter umas vistas fabulosas (disse o guia!!!) sobre o porto de Geiranger. Só que o São Pedro não permitiu e essas vistas não se proporcionaram, apesar de ter gostado de ver uma paisagem totalmente diferente da que vimos de manha. Segundo o que nos foi explicado pela Daniela, o tempo e a paisagem na Noruega muda imenso, i.e. pudemos estar com um sol radioso e passamos um túnel (passamos imensos, um deles com cerca de 16 kms se a memória não me atraiçoa) e do outro lado da montanha está a chover copiosamente.


Finalmente avistamos o MSC Orchestra, um pouco mais a baixo relativamente ao miradouro:


Esta era a fila para o embarque, embora estivéssemos em cima da hora estipulada para o "todos a bordo".


Demoramos cerca de 10 min a entrar no Orchestra.

A partida foi vista da varanda do camarote que por sorte foi sempre do lado mais favorável para as fotos. Pudemos observar as cascatas mais famosas do nosso lado:


Depois de assistirmos à partida, era tempo de preparar para o jantar, mas ainda deu para passear um pouco pelo Orchestra e apreciar as lojas e a animação que ia havendo pelos bares:

Os elevadores

O atrio principal junto à recepção

O que tocavam nessa altura
Um sofá junto ao Savannah Bar

Pormenor do Savannah Bar
A surpresa do jantar:


e por fim o show do dia: Cuore Italiano!


Até amanha em Flamm...