sábado, 1 de janeiro de 2011

Nova Iorque – Ellis Island

1 de Janeiro de 2011 – Nova Iorque – Ellis Island

Após a visita a Liberty Island dirigimo-nos para Ellis Island onde se encontra o Museu de Imigração. Confesso que fiquei curioso com este museu após um episódio do “CSI New York” onde foi investigado um assassinato neste museu.



Mas sobre a ilha podemos dizer que Ellis Island foi a porta de entrada para milhões de imigrantes para os Estados Unidos como O serviço de imigração mais movimentado dos Estados Unidos da América de 1892 até 1954. A ilha foi aumentada com o aumento da sua superfície entre 1892 e 1934. Antes disso, a ilha muito menor era apenas o Fort Gibson e, posteriormente, uma empresa naval. A ilha tornou-se parte do Monumento Nacional da Estátua da Liberdade em 1965, e recebe o museu da imigração desde 1990. O lado sul da ilha, que abriga o Ellis Island Immigration Hospital, está fechado ao público em geral e objeto de esforços de restauração lideradas pela instituição “Save Ellis Island”.


Ellis Island está localizado em Jersey City, Nova Jersey, tem uma área de 27,5 hectares, a maioria dos quais foi criada através de recuperação de terras. A parte original da ilha é de 3,3 hectares e é um enclave da cidade de Nova Iorque, enquanto as áreas recuperadas são parte de cidade de Jersey. Toda a ilha é propriedade e administrada pelo governo federal dos EUA desde 1808, sendo que actualmente a administração é efectuada através do National Park Service.


Desde o 11 de Setembro de 2001, a ilha é guardada por patrulhas do corpo da Unidade de Patrulhamento da Polícia Marítima dos Estados Unidos da América. O acesso do público é efectuado por ferry a partir do terminal Communipaw em Liberty Island ou do Battery Park, na ponta sul de Manhattan.


O serviço de imigração de Ellis Island foi inaugurado a 1 de Janeiro de 1892. Construído em madeira, foi completamente destruído por um incêndio em 15 de Junho de 1897. Nos 35 anos anteriores à abertura de Ellis Island, mais de oito milhões de imigrantes que chegaram a Nova Iorque foram processados por funcionários do Estado de Nova Iorque no Castel Garden Immigration Depot na baixa de Manhattan, do outro lado da baía. O Governo Federal assumiu o controle da imigração a 18 de Abril de 1890 e Congresso destinou 75 mil dólares para a construção da primeira estação federal de imigração dos Estados Unidos em Ellis Island. Enquanto o edifício estava em construção, o “Barge Office” nas proximidades de Battery Park foi usado para o processamento de imigrantes.


Inicialmente a estação de inspecção federal era uma estrutura enorme de três andares de altura, construída em madeira de pinho da Geórgia, contendo todas as facilidades necessárias para o efeito. Foi inaugurada com uma celebração a 1 de Janeiro de 1892 e nesse dia logo três grandes navios desembarcaram e 700 imigrantes passaram por cima das docas. Quase 450 mil imigrantes foram processados pela estação durante o seu primeiro ano de funcionamento. Em 15 de Junho de 1897, um incêndio de origem desconhecida, possivelmente causado por fiação defeituosa, transformou as estruturas de madeira de Ellis Island em cinzas. Não foram perdidas vidas, mas a maioria dos registos da imigração que remontavam a 1855 foram destruídos. No total cerca de 1,5 milhões de imigrantes foram processados no edifício original durante os seus cinco anos de uso.
Foram feitos planos para reconstruir imediatamente uma nova estação de imigração à prova de fogo no mesmo local de Ellis Island. Durante o período de construção, as chegadas de passageiros foram novamente processadas “Barge Office” em Battery Park.


A actual estrutura principal foi projectada em estilo renascentista francês e construído em tijolo vermelho com guarnição de calcário. Quando foi inaugurada em 17 de Dezembro de 1900, as autoridades estimaram que 5.000 imigrantes por dia iriam ser processados. No entanto, as instalações provaram ser capazes de lidar com praticamente o fluxo de imigrantes que chegaram nos anos anteriores à Primeira Guerra Mundial. O escritor Louis Adâmic veio para a América vinda da Eslovénia em 1913 e descreveu a noite em que ele e muitos outros imigrantes dormiram em beliches num salão enorme. Na falta de um cobertor quente, o jovem “estremeceu, sem dormir, toda a noite, ouvindo os roncos e os sonhos em talvez uma dúzia de línguas diferentes". A instalação era tão grande que a sala de jantar poderia facilmente albergar 1.000 pessoas sentadas.


Após a sua abertura, Ellis Island foi ampliada com aterros sanitários e estruturas adicionais. No momento em que fechou definitivamente as portas em 1954, doze milhões de imigrantes foram processados pelo Departamento de Imigração dos EUA. Estima-se que 10,5 milhões de imigrantes partiram para os mais diversos pontos em todos os Estados Unidos através da Central Railroad of New Jersey Terminal, a estação de comboios localizada do outro lado do estreito. O ano com maior volume de imigração em Ellis Island foi 1907, com 1.004.756 imigrantes processados. Após a aprovação da Lei de Imigração em 1924 a imigração ficou muito mais restrita e o processamento passou a ser permitido às embaixadas no exterior pelo que os únicos imigrantes a passar por Ellis Island eram deslocados ou refugiados de guerra. Hoje, mais de 100 milhões de americanos - um terço da população - pode traçar a sua ascendência estrangeira pelos seus antepassados imigrantes que chegaram pela primeira vez à América através de Ellis Island antes de se dispersarem por pontos de todo o país.

Geralmente, os imigrantes que eram aprovados passavam entre 2 e 5 horas em Ellis Island. Quando chegavam eram-lhe feitas 29 perguntas, incluindo nome, ocupação, e quantidade de dinheiro que traziam. Era importante para o governo americano que os recém-chegados pudessem sustentar-se e ter dinheiro para começar uma nova vida. Em média o governo queria que os imigrantes tivessem na sua posse uma quantia entre 18 e 25 dólares. Aqueles que tinham problemas de saúde ou doenças visíveis eram mandados para casa ou detidos em instalações da ilha hospitalares por longos períodos de tempo. Mais de três mil candidatos a imigrantes morreram em Ellis Island enquanto detidos nas instalações hospitalares. Alguns trabalhadores não qualificados foram rejeitadas porque foram considerados "propensos a tornarem-se um encargo público". A cerca de 2 por cento era negada a admissão nos EUA e enviados de volta para os seus países de origem por diversos motivos tais como ter uma doença crônica contagiosa, antecedentes criminais, ou insanidade. Ellis Island foi também conhecida como " Ilha das Lágrimas" ou " Ilha Quebra Corações " por causa dos 2% que não foram admitidos após a longa viagem transatlântica. O “Kissing Post” é uma coluna de madeira do lado de fora do “Registry Room”, onde os recém-chegados eram recebidos pelos seus parentes e amigos, geralmente com lágrimas, abraços e beijos.



Depois de 1924, Ellis Island tornou-se principalmente um centro de detenção e deportação. Durante e imediatamente após a Segunda Guerra Mundial Ellis Island foi utilizada para internar marinheiros mercantes alemães e inimigos estrangeiros, civis americanos ou imigrantes detidos por medo de serem espiões, sabotagem, etc. Cerca de 7.000 alemães, italianos e japoneses estiveram detidos em Ellis Island. Foi também um centro de processamento para soldados doentes ou feridos dos EUA, e uma base de treino da Guarda Costeira. Ellis Island ainda conseguiu processar dezenas de milhares de imigrantes por ano, durante esta época, mas muito menos do que as centenas de milhares de anos que chegaram antes da guerra. Após a guerra a imigração rapidamente voltou aos níveis anteriores.

A Lei de Segurança Interna de 1950 impediu a entrada a membros de organizações comunistas ou fascistas nos Estados Unidos. Ellis Island atingiu um pico de detenções de cerca de 1500 detidos, mas em 1952, depois de mudanças na lei de imigração, apenas 30 permaneceram detidos.

O primeiro imigrante a passar por Ellis Island foi Annie Moore, uma menina de 15 anos de idade, de Cork, na Irlanda, que chegou no navio Nevada a 1 de janeiro de 1892. Ela e os seus dois irmãos vieram para a América para se encontrarem com os seus pais, que tinham imigrado para Nova Iorque dois anos antes. Ela recebeu uma saudação especial dos funcionários e uma peça de ouro como prenda no valor de 10USD. Foi a maior quantia de dinheiro que ela alguma vez possuíra. A última pessoa a passar por Ellis Island foi um marinheiro mercante norueguês de nome Arne Peterssen em 1954.


O "Wall of Honor" fora do edifício principal contém uma lista parcial dos imigrantes processados na ilha. A inclusão na lista é possível fazendo uma doação para apoiar a obra. Em 2008, a biblioteca do museu passou a chamar-se oficialmente Biblioteca Bob Hope Memorial em homenagem a um dos imigrantes mais famoso processado por Ellis Island.


Passamos um tempo considerável em Ellis Island pois ficamos impressionados com o que fomos vendo, desde as condições de receção, aos exames médicos que eram efectuado e que hoje seriam considerados brutais.

Chamou-nos particularmente à atenção pequenas coisas expostas relacionadas com Portugal e/ou com a língua portuguesa, nomeadamente panfletos, notas do Banco de Portugal, trajes, etc.

Após a visita dirigimo-nos ao Ground Zero!!!