segunda-feira, 4 de outubro de 2004

Budapeste - Hungria - 4 Outubro 2004



04 Outubro 2004 - Budapeste - Hungria

Acordamos para mais um dia, não completamente refeitos do cansaço mas tínhamos que aproveitar o tempo.

Mais uma vez acordamos muito cedo e bem cedinho estávamos junto à cidade medieval de Buda.
A cidade medieval de Buda foi construída em torno de um castelo, erguido pelo rei Béla IV no século XII, para protegê-lo de possíveis invasores da cidade.


O Castelo de Buda (Budai Vár) está erguido numa colina, 170m acima do Rio Danúbio e é o principal cartão postal da cidade. Facilmente visível quando se está próximo das margens do rio, compõe um cenário muito bonito junto com a Ponte das Correntes, tanto de dia, quando de noite. O complexo no qual está inserido conta com diversas atrações, como museus e igrejas.

O que chamamos de Castelo de Buda é na verdade o Palácio Real (Királyi-palota), um conjunto de vários edifícios, muitos deles construídos no século XVIII no lugar de outras construções que haviam no local. Durante a Segunda Guerra Mundial o palácio sofreu alguns danos graves, como a sua cúpula, que foi totalmente destruída e teve que ser reconstruída. Ele não serve mais como residência desde 1945 e atualmente abriga vários museus, como a Galeria Nacional Húngara e o Museu da História de Budapeste.

A Galeria Nacional Húngara (Magyar Nemzeti Galéria) ocupa a maior parte das instalações do Palácio Real.

Fundada em 1975, guarda grande parte dos tesouros da cidade e apresenta a arte húngara da época medieval até os dias de hoje, sendo composta por seis exposições permanentes e também por exposições temporárias.

A sua entrada está localizada na parte da frente do palácio. Boa parte dos salões possuem janelas viradas para o Rio Danúbio, sendo possível ter uma noção de como os antigos reis e moradores do palácio avistavam a cidade do alto. A visita inclui uma subida até a grande cúpula, de onde se tem uma vista incrível de Budapeste.


A galeria abre todos os dias, exceto às segundas-feiras, das 10:00h às 16:00h. O ingresso para as exposições permanentes custa 1000 huf.

Para as exposições temporárias, a entrada é um pouco mais cara e varia conforme a exibição, porém o valor já inclui o acesso às permanentes.

Tal como acontece em muitos locais por estas bandas se quisermos tirar fotos ou fazer filmagens no interior da galeria, é necessário pagar uma pequena taxa, que normalmente vale a pena pagar.

O Museu da História de Budapeste (Budapesti Történeti Múzeum) ocupa também parte do castelo e retrata a história da cidade, desde a Idade Média até os dias atuais, incluindo a história do Castelo e do Palácio no qual está inserido.


O acesso é feito pelo pátio interno do palácio. Assim como a Galeria Nacional, não abre segunda-feira. Nos outros dias, funciona das 10:00h às 18:00h durante o verão europeu, e das 10:00h às 16h durante o inverno. O ingresso custa 1400 huf e também é necessário pagar uma pequena taxa para tirar fotos ou vídeos.

Ali mesmo ao lado também podemos visitar a Igreja Mathias (Mátyás templom) que foi construída entre 1255 e 1269, no mesmo local onde uma igreja antiga foi destruída em 1241.

 
Na época medieval, era considerada a principal igreja de Buda. Tem esse nome em homenagem ao rei Mathias, que casou-se nela duas vezes.

No seu interior podemos observar diversas esculturas e obras de arte do século XIV, além de grandes vitrais e dois órgãos antigos. O altar tem estilo gótico e possui uma réplica da coroa húngara acima de uma estátua da Virgem Maria.

 
As visitas ocorrem todos os dias. Durante a semana, das 9:00h às 17:00h. Aos sábados das 9:00 às 13:00h e aos domingos das 13:00h às 17:00h. O acesso só é gratuito na capela sagrada. A visita ao interior da igreja custa 990 huf e é possível fazê-la com um áudio-guide pagando mais 500 huf.


Ao lado da igreja podemos encontrar o Bastião dos Pescadores (Halászbástya), um monumento construído em 1895 para comemorar o aniversário da conquista magiar.

Possui sete torres, em homenagem a sete tribos magiares que fundaram a nação húngara. De longe ele parece um verdadeiro castelo de areia, com suas grandes torres se destacando no cenário da colina. A partir do Bastião podemos ter uma bela vista panorâmica de toda a parte da cidade localizada na outra margem do Danúbio.

 
Na região do Castelo de Buda podemos ainda encontrar utras atrações, como a Biblioteca Nacional Széchényi, o Palácio Sándor (Sándor Palota), o Teatro de Dança Húngara, o Museu da Historia Militar (Hadtorteneti Muzeum) e o Labirinto do Castelo (Budavári Labirintus).

A melhor forma de visitar esta zona, chamado de distrito do castelo é através do Funicular de Buda (Budvari Siklo), construído em 1870.


A estação de baixo fica junto à praça Clark Ádám tér, que fica em frente à entrada da Ponte das Correntes. São dois pequenos vagões que se vão revezando no transporte de passageiros num trajeto de apenas 100m que dura pouco mais de um minuto.

A vista que se tem durante a subida é espetacular, talvez a vista mais bonita da cidade!

O bilhete apenas de ida custa 840 huf, enquanto o combinado ida e volta custa 1450 huf.

O meu conselho é subir pelo funicular, aproveitar as atrações do castelo e depois descer a pé a partir das escadas localizadas junto ao Bastião dos Pescadores.

Após algumas ruas e lances de escada, a descida termina na margem do Rio Danúbio, quase em frente ao Parlamento Húngaro.


Mais uma vez o nosso dia terminou na zona da Ponte das Correntes, onde jantamos e aproveitamos para tirar algumas fotos à noite, apesar da pouca qualidade das mesmas face à maquina que utilizamos.

A nossa estadia em Budapeste corria rapidamente para o final e apenas teríamos o dia de amanha para as visitas ainda não efetuadas.

Amanha espera-nos um dia muito preenchido.

Até lá...