quarta-feira, 14 de junho de 2017

Londres - 14 junho 2017

Mais uma partida – Porto - Londres

Como a generalidade das pessoas concorda connosco, isto de viajar é viciante e contagiante. Esta frase vem a propósito dos motivos para a viajem que aqui agora vimos partilhar. A ideia (e os insistentes pedidos!) para irmos até Londres foi da nossa filha mais velha, a Beatriz!
 
Como quando se junta a fome com a vontade de comer não há grandes duvidas de qual o desfecho, vamos lá até Londres!

 
Marcamos a viagem com a Ryanair no inicio de maio. Os preços não estavam caros (um pouco mais que 100€/pax)e antes que estes aumentassem tratamos logo de reservar os voos.

 
Mais difícil foi encontrar um hotel decente sem estourar o orçamento que tenhamos previsto para esta viagem. Lá encontramos um hotel que, apesar de algo afastado do centro da cidade, estava de acordo com as nossas exigências em termos de qualidade e preço. Falaremos mais para o final deste post sobre o hotel escolhido.


Aproveitamos um dos feriados repostos pelo atual governo, o Corpo de Deus juntamente com uma ponte criando um fim de semana prolongado de 4 dias. Em principio suficiente para mostrar a cidade à Beatriz, se bem que nestas coisas o tempo nunca é demais.
 
Marcamos um voo ao final da tarde para ainda aproveitar a manha para trabalhar e a Beatriz ir às aulas.

 
Chegamos ao aeroporto do Porto cerca das 17:00h para um voo que partia às 18:05h. A vantagem de não ter bagagem do porão permite estas coisas!


 
Como o Reino Unido não faz parte do espaço Schengen tivemos que ir para uma zona mais afastada do terminal, pois tivemos que passar no controlo de passaportes.



Começa a ser um habito nestes voos low-cost a fila para o embarque começar a ser formada muito cedo pois ninguém quer despachar a bagagem para o porão. Nós como também não queríamos tivemos que alinhar com as massas e fomos para a fila, para evitar atrasos à espera das malas à chegada e evitar os maus tratos aos trolleys que levamos se estes fossem para o porão.

 
Tivemos sorte pois o avião que nos levaria até Londres - Stansted ainda cheirava a novo. Tínhamos a oportunidade de experimentar os novos interiores da Ryanair, muito mais agradáveis que os antigos onde só se via amarelo.
Como estivemos na fila embarcamos rapidamente e pudemos colocar a nossa bagagem junto dos nossos lugares.


 
Estávamos algo curiosos para ver como corria o embarque depois da alteração da política de atribuição de lugares por parte da companhia aérea. Tínhamos informação que nos últimos tempos os embarques estavam a ser complicados com passageiros a tentar trocar de lugar pois a Ryanair, agora dificilmente atribui lugar juntos a quem não pagar para reservar o lugar. Segundo informações que tivemos, uma alteração no algoritmo que faz a gestão do check-in “tenta” obrigar as famílias a pagar para viajarem juntos. Com sucesso, dizemos nós, pois pagamos 32€ para viajarmos juntos nas 2 viagens.


 
Para nossa surpresa, a tripulação totalmente portuguesa lidou com a situação de uma forma extremamente profissional pois impediu as trocas até o avião estar no ar com o sinal de obrigatoriedade de cinto desligado. Tudo isto para evitar atrasos na partida, o que estava a ser frequente.

 
Quanto ao voo, este decorreu de uma forma tranquila com as tradicionais vendas a bordo, mas feitas de uma forma divertida pela tripulação.

 
Algumas fotos durante o voo e de seguida o já tradicional “flight report” do voo.




Chegamos a Londres com um tempo fantástico, coisa pouco habitual por estas bandas e como alguma coisa tinha de correr mal, fomos obrigados a ir para a fila do controlo de passaportes, apesar de termos passaporte electrónico. Para entrar em Londres basta o cartão do cidadão, mas quem tiver o passaporte electrónico pode passar pelos pórticos destinados a este fim, evitando as filas. Então o que correu mal? Nada, excepto o facto de os menores de 13 anos não poderem usar os pórticos electrónicos e como a Beatriz apenas tem 10 anos, lá tivemos que ir para a fila geral. Cerca de 30 minutos de espera. Nada de muito preocupante!

 
Como o aeroporto de Stansted fica a mais de 50 kms do centro da cidade de Londres é necessário utilizar um transfer até ao centro da cidade. O autocarro é o mais barato (mas ligeiramente mais demorado); o comboio mais caro mas mais rápido e mais pratico, na nossa opinião!

 
Compramos antecipadamente o “Stansted Express” pela internet (cerca de 60€) e como a estação de comboios está literalmente no terminal foi só sair do aeroporto e entrar no comboio.

 
O comboio expresso apenas faz 2 paragens no centro da cidade e feitas as contas optamos por sair em Tottenham Hale Station onde mudaríamos para o metro. A viagem dura cerca de 30 minutos.

 
Aproveitamos na estação para carregar os “Oyster Card” que levávamos de Portugal. Este cartão é o equivalente ao “andante” no Porto e pode ser carregado com verbas múltiplas de 5 libras. Na nossa opinião é melhor opção que o Travelcard para quem viajar até 4,5 dias. Mais do que isso já compensa o Travelcard, isto claro na nossa opinião. Podem haver outras diferentes. Quem quiser saber mais em pormenor como funcionam os transportes em Londres tem aqui uma ajuda.

 
Como a Beatriz não paga (até aos 11 anos desde que acompanhados por um adulto) carregamos os nossos cartões com 25 libras cada.

 
De seguida apanhamos o metro, ou o “Tube” como lhes chamam os locais até à Victoria Station onde apanharíamos o comboio até ao nosso hotel.

 
Aproveitamos o tempo até ao comboio seguinte para jantar num McDonald’s na própria estação.

 
O comboio até East Croydon, assim se chamava a nossa estação de destino demorou cerca de 15 minutos a chegar. O hotel ficava a 100 metros da estação.
Vamos então agora ao tema do alojamento!

 
Os hotéis em Londres, à semelhança da maioria das grandes cidades mundiais são caros e de muito pouca qualidade aqueles que nós, portugueses de classe media podemos pagar!

 
Aqui temos 2 opções: ou ficamos alojados no centro, pagamos muito e recebemos pouco; ou optamos pelos subúrbios e pagamos menos, recebemos mais, mas temos de perder tempo e gastar dinheiro em deslocações.

 
Nós, ponderamos as varias possibilidades que tenhamos a um mês da partida e optamos por ficar em Croydon num hotel da mesma cadeia que escolhemos em Amesterdão e que nos agradou tanto: Hampton Inn By Hilton London Croydon.

 
É um hotel semelhante a muitos Íbis por esse mundo fora, mas com uma qualidade superior.

 
É um hotel simpático, muito bem localizado, pessoal muito prestável, pequeno almoço muito aceitável (apesar que mais fraco que em Amesterdão), quartos pequenos mas limpos e acolhedores, silenciosos e confortáveis.


 
Beneficia e muito da existência da estação de comboios muito proxima, minimizando a distancia para o centro da cidade.


 
Tudo isto por menos de 100€ por noite.

 
Nesta altura a noite já ia longa e os próximos dias prometiam ser cansativos.

 
O despertar estava marcado para as 07:00h, por isso vamos dormir!


Até amanha…